Sunday, January 15, 2006

Sugestao

Tu, a quem a vida pouco deu
que deste o nada que foi teu em gestos desmedidos.
Tu, a quem ninguem estendeu a mão
e mendigas o pão dos teus sentidos
Homem só, meu irmão.

Tu, que andas em busca da verdade
e só encontras falsidade em cada sentimento
Inventa, inventa amigo uma canção
que dure para além deste momento
Homem só, meu irmão.

Tu, que nesta vida te perdeste
e nunca a mitos te vendeste,
dura solidão!
Faz dessa solidão teu chão sagrado,
agarra bem teu leme ou teu arado,
Homem só, meu irmão.

Luiz Goes

6 Comments:

Blogger pirata vermelho said...

não será elucidativoevocativo mas...
lembrei-me do luiz pacheco.
um derrapado autêntico!
grande escriba.
grande provocador.

leste?
sabes quem é?

2:35 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

Tiu Pirata burmeilhico,
...não conheço... mas se é grande provocador vou gostar de certeza!

Abracicos!

4:26 PM  
Blogger spartakus said...

O GRANDE LUIZ PACHEKO, olé. subscrevo. boa noite e abracikos, Rosário. Tou a acordarrrrr....

5:42 PM  
Blogger Santa said...

Olá Rosario, lindo o poema, do poeta gosto muito do "Cantiga para quem sonha".
Beijos aqui do Brasil.

7:07 PM  
Blogger Elipse said...

Gosto muito. As coisas de que te lembras, menina!!!

12:23 AM  
Blogger Pólux said...

Poesia "realista", Rosário.
Retrata, com profunda sensibilidade e sabedoria, a crua realidade da vida.

Gostei de ler.

Abracico e boa-noite.

10:43 PM  

Impressoes

<< Home