Thursday, January 19, 2006

"Scoba frolida an Agosto…"


(Algumas passagens)

- "Ai!… You nun podie falar!…"
-Diç la nina, mui sentida .
- "I la mie lhéngua soltou-se.
Parece que tengo outra bida!…"
...
-"Andai a bé-la, no Monte,
Beni!… I podereis crer!…
… You, q’era mudica I xorda,
Oubo I falo! … - stais a ber?!…"
...
-"Mas que stranha cousa esta "
-Diç tola giente admirada.
-"Cumo fui isto?… Eras muda,
I agora, falas tan clara?!…"

-" Milagre!…" -Diç tola giente.
- "Que cousa tan d’admirar!…
Scoba frolida an Agosto,
La nina muda a falar!…"
……………
"Scoba frolida an Agosto…" Lienda de Nuossa Senhora de l monte de Dues Eigreijas, de António Maria Mourinho, 1979

20 Comments:

Blogger Dinada said...

Ó Rosário, 'inda vou aprender mirandês, bolas...ó se vou!!!

Beijico e obrigada pela poesia que adivinho linda :)

9:49 AM  
Blogger frog said...

Milagres não sei se fazia...agora que fazia bôs bardeiros...isso fazia..

bô dia..

9:53 AM  
Blogger greentea said...

O poder da mente!!!!!!!!!!!

10:02 AM  
Blogger relampago said...

bom dia....lindíssimo.

b.e.i.j.o.

11:22 AM  
Anonymous Anonymous said...

Pois aqui reflete-se o teu pedido no meu http://utilidades.blogs.sapo.pt
Quando souber de algo prometo informar, para já não há curso, quanto mais inscrições!!!!Linda imagem da flôr do mato!Linda mesmo. BOm resto de semanita boa.Tudo bom. 1 beijinho da ELsita

11:50 AM  
Blogger pirata vermelho said...

OLHA L QU'ANCUNTREI, ROSARICO

"Habie ua tie que era amiga de l
barbeiro de l lugar i quando l home staba fuora de casa metie-lo na cama. Un die, l home fui-se a la cama i achou alhá ls calçones de l barbeiro. El quedou mui anrabiado i dixo-le pa la mulhier:



- Que stan eiqui a fazer ls calçones de l senhor barbeiro? Mira a ber se achas ua splicaçon, senó quando tornar para casa mato-te.


La tie quedou chena de miedo i fui-se a tener cun ua bezina que era ua tie yá bielha i dixo-le:


- Mire tie Marie, stou zgraciada. L miu home achou na cama ls calçones de l senhor barbeiro i agora diç que me quier matar.


- Tu nun t’apequentes que you resuolbo esso, dixo-le tie Marie. Trai-me acá ls calçones i deixa esso cumigo.


La tie bielha bestiu ls calçones de barbeiro i sentou-se ne l puial que tenie a la puorta a filar. Nesto ben-te l home de la bezina para casa yá barbelhando acontra la mulhier. Cunsante ancarou cula tie bielha a filar i, culs calçones de l barbeiro bestidos, quedou mui admirado i dixo-le:


- Ah tie Marie, antou eilha tamien ten uns calçones cumo ls de l senhor barbeiro?


- Tengo i la tue mulhier tamien ten uns. Tu nunca se los biste? Diç la tie.


- Mirai cumo son las cousas. Staba you tan anrabiado por tener ancuntrado ls calçones de l senhor barbeiro na cama, que benie cun gana de matar la mie mulhier i afinal...


I assi se librou la mulhier de l home la matar."

1:20 PM  
Blogger Maria Oliveira said...

Querida Rosario,
Está cada vez mais lindo o seu blog! Estou com minha casa arrumada!!!! Faça uma visita e verá!!!!:)))))

2:33 PM  
Blogger sonia r. said...

Muito bonito.
Bjos.

2:38 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

This comment has been removed by a blog administrator.

3:00 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

Bom dia a todos!
Apenas uma nota para entenderem melhor o poema: scoba frolida=giesta florida. Por lapso a foto é de uma esteva e nao de uma giesta!... em Carcao, alguem me diria em tom jocoso "ja num cunheces a stebas!"- expressao que se usa quando a pessoa esqueceu ou aparenta esquecer algo relativo a vida da aldeia com o qual costumava ser familiar.

Pirata, excelente! Remete-me para os contos a lareira relatados pelos mais velhos1...

Abracicos!

3:13 PM  
Anonymous the guardian said...

em espanhol? isto é agora é uma conspiração do mixtu!?
abracicos!

3:29 PM  
Blogger Mendes Ferreira said...

obrigado.

beijo.

4:53 PM  
Blogger Miguel said...

Tia Rosario,

Há muito que não te visitava!
Devias dar um curso de mirandês pq eu pisco nada!
Bela melodia destas palavras!

Bjks da Matilde

5:18 PM  
Blogger spartakus said...

Boa noite a korrer Rosário. Bj e abraciko.

6:36 PM  
Blogger peciscas said...

Bonito e delicioso.
Aliás sempre gostei muito da musicalidade e sabor do mirandês.
Será uma perda enorme se um dia deixar de existir quem o fale.

7:56 PM  
Blogger Maria Oliveira said...

Caros amigos,
Agradeço as visitas que recebi no meu blog. Infelizmente,ou felizmente faço oficinas de teatro no interior do estado de Pernambuco e não disponho de muito tempo para ir à internet e fazer todos os comentários desejados.
Mas fiquem certos de que guardo tudo no meu baú das emoções e oferto ao
cosmo para que tudo se encha de luz e traga de retorno bons fluidos aos blogueiros tão queridos.
Um grande abraço e continuem me visitando :)))))

10:16 PM  
Blogger PMBC said...

Estou a ficar interessado no Mirandês!

10:25 PM  
Blogger porfirio said...

a língua mirandeza é fascinante... assim como o entrecruzado florir amarelo-branco das giestas na aldeia da minha infância.

bjo

12:48 AM  
Blogger Silvio Vasconcellos said...

Imagine o que é ler mirandés para um brasileiro, ao sul, mais perto de Buenos Aires do que de Brasília...
Mas adotei uma tática: leio rápido! Não é que dá certo??

Um beijo, Rosário!

1:17 AM  
Blogger Polux2 said...

E a flor da "steba" não fica atrás da da giesta, Rosário. E também dela se conta uma lenda bastante interessante, que refere que as suas pintas representam as cinco chagas de Cristo, que sobre a xara terá caído quando ia a caminho do Calvário (é mais ou menos assim).

Também há aquela história do ancinho, para aqueles que esquecem ou fingem esquecer a vida da aldeia. :)

Abracico, e rápida recuperação da gripe.

P.S.: Há dias, no post sobre as eleições, pretendia deixar um endereço e saiu mal (Sermão de Stº António aos peixes). A correcção, hoje.

7:24 PM  

Impressoes

<< Home