Wednesday, January 18, 2006

Pensamento


A tarde adensa-se e tudo o que sou se precipita no meu peito num prenúncio de inflamação. Doem-me as horas. Doi-me a consciência que as sustenta. Doi-me não sei que músculo. Obliquamente. Na orla enviesada dos meus nervos, numa proporcionalidade directa e espessa ao efeito erosivo gotejante do teu corpo no meu pensamento.
Mas é uma dor de antes... De antes de ti ou de qualquer viscosidade temporal. De quando eu me devia ter constrído e olhei só de longe a construção do mundo e dos astros, sem assimilar nenhum átomo que me edificasse de verdades. E agora doi-me.
Porque nos intertícios das coisas palpáveis sou só pensamento e excesso, e aflição. E penso-me para ser alguma coisa, e penso-te para me preencher e existir e pensar que sou mais... mas é tudo uma ilusão...

... não sou além do pensamento. Sou apenas um vapor côncavo esparso de mim...

13 Comments:

Blogger mixtu said...

...não sou alem do pensamneto... nós não somos...
dor antiga, ancestral... haverá fármaco... o amor... a amizade...
jinhos

2:36 PM  
Blogger spartakus said...

a da fotografia, pelo menos, é um riku ku...boa tarde Rosário. Bjos e abracikos.

3:04 PM  
Blogger SoNosCredita said...

O amor-próprio, o Amor, a Amizade... sim, são de facto os melhores fármacos.

"Doem-me as horas": frase queme leva até um dos filmes que mais me marcou até hoje, que adoro... precisamente, "As Horas" ("The Hours")!

3:19 PM  
Blogger frog said...

Esta pelo menos está mais cebada

3:26 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

...é para não se queixarem que só mostro tísicas!...

Ainda estou me casa a recuperar. Antibiotico+ outras cenas. Mas estou a curtir, aproveitei para pintar... ha males que vêm para bem...
Abracicos

3:39 PM  
Blogger frog said...

Andibeste cuma maleita? estes ares de inberno só fainem bem mal às engripadelas...

As melhoras... e bota-lhe um bagaçico queimado cum mel...

4:00 PM  
Blogger Elipse said...

Escrita feminina, sensibilidade feminina, inverno masculino e maleita, que é coisa de terminação em A mas bem que podia ser em O.
Valem as palavras e o efeito que produzem a quem lê, depois do prazer da escrita, mesmo que doa.

5:26 PM  
Blogger Funes, o memorioso said...

A memnina do "Estudo I", do dia 16, perdeu a vergonha. Virou-se para o outro lado e agora mostra a cara.
E engordou um bocadinho.
Espero bem que as "dores das horas" sejam só uma fantasia da autora. A Rosário pertence à classe de blogueiras e blogueiros que tenho que visitar todos os dias e, por isso, está proibida de estar doente.

5:57 PM  
Blogger porfirio said...

sim. «vapor côncavo»... e no oblíquo músculo desponta a dor que nos acorda e imobiliza.

bjos

11:22 PM  
Blogger PMBC said...

Bomita pintura, bonito texto. Parabéns!

11:42 PM  
Blogger badger said...

Bem.... confesso que estive uns quantos minutos a ler... muito calmamente! Cada palavra...
GENIAL!!!

Espero que já estejas curadita...

Beijos

12:32 AM  
Blogger TR said...

Andas muito introspectiva....será a questão de saúde? ou será uma destas duas: -andas com muito tempo para pensar
- estás com excesso de trabalho...
há uma terceira: - não tem nada a ver com nada?

Acho que te deves refastelar tal como a miúda ali em cima a ouvir uma boa música ou a ler um bom livro... é de aproveitar enquanto não se tem filhos...

9:40 PM  
Blogger Polux2 said...

"... não sou além do pensamento.(...)"

Ser dona das palavras e do momento já é muito bom, Rosário. Gostei muito.

Abracico.

7:31 PM  

Impressoes

<< Home