Wednesday, February 22, 2006

A agua e a calma...





...e este choro que não vem
que me estagna a alma
e não brota de veia nenhuma...
que me percorre em trombos,
na febre aguda do meu cansaço.

Ah, mas porque não me desfaço
logo em sal
e limpo a alma de todo o torpor?

...
...porque tardam a água e a calma?

7 Comments:

Blogger spartakus said...

Bom dia Rosário. Sorte a tua, tão tranquila. eu acordei, o que é raro, bilioso e de mau humor. coisas. obrigado pela explicação. Bjinhosss e abracikos.

10:13 AM  
Blogger feniana said...

água e calma. vitais.

um beijo, rosário

10:59 AM  
Blogger greentea said...

porque não é o momento. tudo tem a altura certa para acontecer, como diria o Dalai Lama. E nada acontece por acaso...
Ontem, fiz o erro crasso de me encostar à direita em vez de seguir em frente! Tive de fazer a Ponte s/ o Tejo para lá e para cá, ir até Almada do outro lado do rio e então, só então, virar à esuerda , como eu queria. em hora de ponta.
Aceitei, talvez porq assim me livrasse de algum acidente ou tv assim tivesse encontrado alguém q precisava falar comigo...Who Knows?
Bjs

1:16 PM  
Blogger SoNosCredita said...

o tempo trata de tudo, traz a água e a calma!
:)

2:51 PM  
Blogger TR said...

Rosário,

Gosto das tuas fotografias. A do meio é quanto a mim e para mim a mais curiosa. Gosto daquele tipo de fotografia mais conceptual, simétrica e algo despida de sentido ou à espera que sejamos nós a dizer-lhe qualquer coisas. O poema também é interessante. Gosto da ideia de choro interior e exterior, humano ou simplesmente natural, de natureza`, especialmente pelo facto de que efectivamente podem estar todos incrivelmente interligados!!

5:14 PM  
Blogger pirata vermelho said...

tie rosarico
parece que çtás ne las nubres
d'andubíres toda abolhada!
stou çcunfiado que numa gáçpia te puses toda campante...

11:00 PM  
Blogger r.e. said...

"...porque não me desfaço logo em sal..." é de um lirismo ímpar. um belo contraponto ao locus amenus de então. beijinho. J.

11:39 PM  

Impressoes

<< Home