Friday, May 18, 2007

L pan i la culpa

(Cézanne)


Çque me conheço sei l pan
I l corto an cumpanhie,
Trás del coraçon i manos ban,
I an sue roncha caliente
Zgrilaba datrás l’alegrie
De mi i de muita giente.

Ua batalha de ceçon ampeçaba-lo
Cumo un filo de lhuç,
Las eiras rasas dában-lo
Cumo la rosa d’alba quelor produç.

Benie-mos cumo l Reino n’ouraçon,
Sendo feita la gana al Lhabrador:
Nua alma lhimpa amadura, anton,
La semiente d’amor.

Era l pan. Tierra de pan,
Dezie-se – i era lhougo:
Caie l géstio a la tierra, la spiga abangaba,
L tiempo, debagar, corrie-le la sue mano,
La bida clara staba
Naqueilha cumbinaçon.

Hoije, que ye pan inda, i a la nuite nuosso,
Bai-se a cortar, falta-le talbeç miolho.
Se nun corto na mesa l pan que puodo
Ye mie la culpa.

I you sei l pan de cada die i traio-lo:
Onte, cumo manhana, yá hoije me l dan;
Mas, ancierto, al meio la dentada, trago-lo,
I nó, nó bien l mesmo, ó anton nun puodo...
Ó al menos nun ye todo nuosso
Este que lhiebo a la boca, l nuosso pan.

Vitorino Nemésio
Traduçon de Fracisco Niebro

...via Cumo quien bai de camino . A tradução esta lá também, para aqueles que não percebem la Lhéngua.

Bom fim de semana!

5 Comments:

Blogger Opintas/Bernardo Kolbl said...

Um bom fim de semana e um abraço

5:13 PM  
Blogger sonia r. said...

Pão e vinho de Cezanne é divino. Boa semana Rosário. BJINHO.

11:02 AM  
Anonymous candida said...

boa merenda :)só faltam as azeitona para acompanhar a bucha

11:10 PM  
Blogger Nómada said...

Delicioso este poema de V N em dialecto mirandês ( é assim?)
Hei-de ver com mais tempo, mas parece-me muito próximo do galaico-português, falares dos séc. primeiros da nacionalidade...

11:30 PM  
Blogger Kalinka said...

Olá Rosário
Celebrei os dons da terra e misturei-me com os sons do mundo sem coisa alguma...fui durante 4 dias de mini-férias para o Alentejo profundo.
Comecei por Estremoz e fui em seguida para Évora e daí em diante.

Pelo kalinka poderás ler sobre o «Même» que recebi:
"Para ser grande, sê inteiro:
nada Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa.
Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim, em cada lago a LUA toda
Brilha, porque alta vive.
"Ricardo Reis"

Beijinhos.
Bom fim de semana.

1:26 AM  

Impressoes

<< Home