Friday, December 16, 2005

Dalai Lama e Neurociencia

Quando a Sociedade de Neurociências dos EU recentemente convidou o Dalai Lama para discursar no seu comgresso anual em Washington, gerou-se considerável controvérsia. No entanto, quando o evento se realizou, a controvérsia desvaneceu-se, de acordo com a revista Science de 18 de Novembro.
Falando para uma audiência estimada em 14000, o lider Budista apresentou a prática da meditação como um modo empirico de investigar os mistérios da mente humana. Inesperadamente, ele afirmou que prefere o método cientifico de questionar para o dogma religioso. Esta abordagem desarmou os mais de 500 cientistas que tinham antes assinado uma petição exprimindo oposição ao facto de o Dalai Lama discursar perante tal assembleia, defendendo que as suas ideias turvariam a distinção entre ciência e religião. Também se suspeitou que a petição tinha origem politica e que os organizadores da dita seriam de origem chinesa e com fortes restriçães a tudo quanto é tibetiano.
O discurso foi o primeiro de uma série de diálogos planeados entre a ciência e a sociedade em geral. O Dalai Lama apelou a uma maior innteracção entre neurociência e as tradiçoes de comtemplação.
Incitou a audiência a trabalhar no sentido de aumentar a felicidade humana descobrindo modos de reduzir as emoçoes negativas e aumentando as positivas.
Alguns cientistas encaram a meditação como controversa porque é parte integrante de diversas religioes e diferentes pessoas têm diferentes definiçoes. No entanto, um psicólogo da Harvard Medical School apresentou um estudo a confirmar diferenças na estrutura cerebral entre individuos que meditam e os que não exercem essa prática. Áreas do cortex associadas com atenção e processamento sensorial apresentavam-se mais volumosas em sujeitos que praticavam meditação durante vários anos do que nos sujeitos não praticantes.
Outro psicólogo considerou que as capacidades mentais conferidas por extensos periodos de meditação podem explicar a percepçao visual.
Uma sessão com muito para pensar!...

8 Comments:

Blogger deumus said...

O dalai não!...só Satanás é o Senhor, Moça. boa tarde...

3:10 PM  
Blogger Pinto Ribeiro said...

Onde raio se meteu toda a gente?...o dalai é assim tão assustador?...boa noite. Bjos e abracikos Rosário.

6:57 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

... parece que sim!Ou anda tudo na farra! ...eu estou de prevencao...

Bom fim de semana!
Abracicos!

8:27 PM  
Blogger Fausta Paixão said...

Olha 'miga, eu de meditação percebo muito. Às vezes é que não chego a meditar porque apanho cada barrete!Nem imaginas o que me aconteceu!

8:50 PM  
Blogger Maria said...

O Dalai Lama é uma figura fascinante. Quando esteve em Portugal, a todos muito impressionou.
Bom fim-de-semana e "abracicos" da Maria

9:19 AM  
Blogger greentea said...

Ola Rosário
Estás de prevenção e eu vou ficar a trabalhar durante esta manhã fria (aqui em Sintra, com a erva geada) mas cheia de Sol.
Nada acontece por acaso, obviamente.
Já tinha passado sobre o teu artigo do chá e gosto muitpo de chás, incluindo o Green Tea. Há dias comprei um Red Tea mas fiquei sem saber as suas propriedades especificas e qual a diferença do Red e do Green. Talvez tu saibas!
Não tenho grandes afinidades com os teus colegas de profissão mas acho que tu serás completamente diferente . Meditação , Dalai Lama , Chopra, Medicina Ayurvedica ou outras alternativas...de facto o importante é procurarmos alternativas para eliminar reduzir as emoções negativas e deste modo as situações patológicas que as acompanham! Quantos doentes não estariam curados se não se enfrascassem em pastilhas e xaropadas e procurassem a cura dentro de si e dos seus conflitos, perdoando aos que os cercam e um dia os agrediram. Tb li Louise Hay, claro.
Gostei da abordagem de Dalai Lama ciência/meditação.
Um bom dia para ti

10:02 AM  
Blogger Dinada said...

Olá Rosário. Junta uma gripe a uma ressaca monumental (festas de blogs é o que dá) e percebes o estado em que me encontro!

Beijicoo e Bom Fim de Semana, amiga!

4:41 PM  
Blogger Eridanus said...

O Dalai Lama, quase seguramente, já leu "Zen and the Brain" de James H. Austin (MIT Press). Um estudo fascinante, com muito de ciência 'dura', sobre os mecanismos e os estados alternados de consciência que a neuroquímica, a neurofarmacologia e a neurologia clínica permitem documentar em praticantes de zen... e muito mais, que aqui não cabe :)

4:33 PM  

Impressoes

<< Home