Wednesday, August 17, 2005

A Festa do Rapazes Solteiros

À colina central da aldeia, não muito pronunciada, encimada pela igreja, opõe-se um monte mais robusto, que se ergue com uma imposição protectora na face virada para a aldeia, estendendo-se lânguido e plácido do outro lado, unindo-se a outras elevações, até que entrelaçados se dissolvem no azul claro da distância. Pelos montes, como que plantadas por semeador preguiçoso e pouco preciso, aparecem pontilhados claros, indicadores de mais uma e outra povoação. Vê-se Vimioso, a “Vila”, à direita uma escarpa rochosa assinala Campo de Víboras. A contemplar a aldeia e toda a vastidão de montes, erigida no cimo desta elevação, encontra-se uma capela pequena e modesta, dedicada a São Roque.
No cimo do monte de São Roque decorria, como ainda acontece (nos dias 15 e 16 de Agosto-ontem), a única celebração religiosa a que eu assitia de livre vontade. Trata-se da festa dedicada a São Roque, organizada pelos rapazes solteiros. No segundo dia de festejos, realiza-se uma missa campal à volta da capela, na qual participam os animais domésticos, especialmente os que sao utilizados nos pesados trabalhos da agricultura. Há muito que nao tenho a oportunidade de estar presente nesta altura, mas as tradicoes mantem-se.

O monte enchia-se de burros, machos, mulas e vacas para receberem a bênção que os protegeria das mazelas que poderiam impedi-los de prestar os seus preciosos serviços. Muitos chegavam aos pares, inexoravelmente unidos pelo jugo, enfeitado para a ocasião com raminhos de flores e com sacos de cereais que constituíam as oferendas dos agricultores ao santo, como paga de promessas ou como recompensa por um ano de boa colheita. Os animais davam três voltas à capela e acomodavam-se para mais uma vez ouvir a história do santo que, em época de peste, teve a sorte de ter um sistema imunitário forte que lhe permitiu prestar auxílio as pessoas que sofriam da doença.
Porque é que o São Roque foi escolhido para protector dos animais? Não sei. O que sei é que a imagem do santo tem aos pés um cachorro que o olha com uns olhos bondosos e isso sempre me pareceu simpático. Eu gostava de levar a burra Ruça albardada com a albarda do costume mas com uma manta nova, e fingir que ouvia a história mais uma vez...
As beatas dispunhan-se na primeira fila, com o lábio trémulo e os olhinhos húmidos de emoção, perante a imagem do santo viril e do relato arrebatado das suas desventuras. Os animais é que nao se comoviam muito com as histórias... eram picados pelas moscas sempre muito abundantes e não se inibiam de ir coçar as partes ou de saltar como demónios em plena missa. Ou por vezes sucumbiam às tentaçoes da carne, ao chamamento da natureza, e ali mesmo e sem respeito nenhum, tentavam enredar-se em comportamentos menos aceitaveis... um beato e respeitoso pontapé resolvia a questão.

13 Comments:

Blogger Pinto Ribeiro said...

ANDA TUDO DISTRAÍDO NA BLOGOSFERA?
www.ocavaco.blogspot.com

1:42 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

Ok, Ok!
Vou la agora mesmo!

1:45 PM  
Blogger Pinto Ribeiro said...

Rosario: eu estava a falar do desespero daquela mãe americana e do que ele representa. solidariedade, precisa-se. passem palavra. 1 abraço.

1:52 PM  
Blogger frog said...

Esta maneira herética/cómica como descreves os "eventos sociais" lá da nossa aldeia, transformam as tuas crónicas numa pequena iguaria só comparadas a "cumer um bô butelo cum cascas no entrudo". Parabéns
Abraçicos

2:18 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

Bom dia frog!
Tambem falarei nos butelos mais adiante, no natal. Estou a tentar publicar as cronicas mais ou menos ao mesmo tempo que vao acontecendo na aldeia.
Daqui uma semanica será a festica da Sra das Gracas, ui jajus que saudadicas!... ja estao escritas as cronicas para essa altura! E lá estaremos!
Abraçicos

2:33 PM  
Blogger Miguel said...

Bem vinda á Blogoesfera!

Retribui-te a singela visita e prometo que passarei por cá mais vezes para conhecer-te melhor!

Bjs da matilde

2:55 PM  
Blogger frog said...

Bem seguro que lá staremos!!!!! num bou á ás nubenas!!!!

3:19 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

Tamem prufiro o arraial as nubenas!

3:20 PM  
Blogger frog said...

Ósdepois de terem crabado ums trocos o Zé da Estacada bira-se pró Carlinhos da Sé e préguntou-lhe: Carlinhos já temos 5 miaréis, bamos lá ao Xhabe Douro a mércar 4 miaréis de binho e um tostão de pão.. num áchas??
Bô..Bô..stás doido...pra que queremos tanto pão??

O Carlinhos da Sé foi ao belório dum amigo e préguntou à mulher de quê quele tinha morrido. Olha Carlinhos morreu que nem um passarinho...
Bô..Bô.. num me digas que morreu por í cuma xumbáda nus cornos!!!!

4:25 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

Muto boas essas. Bota e bira qu'é pr'a assar! Envia mais!

4:37 PM  
Blogger frog said...

Esta foi ao vivo
Um cliente quer pagar uma cerbeija ao Piroca e este diz-lhe para esperar um cachico que já a bubia. Após vários "cachicos" o pagador précurou-lhe de que staba à spera que num a bubia já. Resposta do Piroca:
Stou à spera da p...da minha mulher a ber se me trái os óculos que sem eles postos a bubida num me sabe bem!!!

5:19 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

:-) !!!!!!


Apontando entre as varias marcas de batatas fritas:
- Tio chico quero umas Lays
- Umas quei?
- Ali, aquelas ali...
- Ah, batatas fritas, porque num dixeste logo? Que c****lho chamais vós a isto?

5:28 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

A filha do ti Chico a servir o Joao Almeida:
- Queria umas pastilhas elasticas...
- Quais?
- Menta.
- Estas? (Apontando)
- Nao , em baixo.
- Estas?
- Nao, as verdes.
- Estas?
- Nao, as do lado esquerdo!
- C***lho do-te ja um chapo que te viro!

5:34 PM  

Impressoes

<< Home