Monday, July 23, 2007

Odas de Ricardo Reis (008)

(Alma-Tadema)



Solo l tener froles pula bista afuora
Nas anchas carreiras d’arbles de ls jardins eisatos
Bonda para podermos
Achar la bida lhebe.

De todo l sfuorço manténgamos quietas
Las manos, jogando, pa que nun mos agarre
De l pulso, i mos arrastre.
I bíbamos assi,

Buscando l menos de delor ou gozo
Buendo a tragos ls sfergantes frescos,
Traslhúcidos cumo auga
An copas bien zenhadas,

De la bida çquelorada lhebando solo
Las rosas passageiras, las meias risas,
I ls brebes carinos
De ls sfergantes mudables.

Pouco tan pouco pesará ne ls braços
Cun que, eisilados de las mui altas lhuzes,
Scolhirmos de l que fumos
L melhor pa lhembrar

Quando, acabados pulas Parcas, furmos,
Búltios solenes nistante antigos,
I cada beç mais selombras,
Al ancuontro fatal

De l barco scuro ne l saturno riu,
I ls nuobe abraços de l hourror stígio,
I l regaço anfartable
De la pátria de Pluton.

Fernando Pessoa [Odes, de Ricardo Reis]
Traduçon de Fracisco Niebro





[an pertués:

Só o ter flores pela vista fora
Nas áleas largas dos jardins exactos
Basta para podermos
Achar a vida leve.

De todo o esforço seguremos quedas
As mãos, brincando, pra que nos não tome
Do pulso, e nos arraste.
E vivamos assim,

Buscando o mínimo de dor ou gozo,
Bebendo a goles os instantes frescos,
Translúcidos como água
Em taças detalhadas,

Da vida pálida levando apenas
As rosas breves, os sorrisos vagos,
E as rápidas carícias
Dos instantes volúveis.

Pouco tão pouco pesará nos braços
Com que, exilados das supernas luzes,
‘Scolhermos do que fomos
O melhor pra lembrar

Quando, acabados pelas Parcas, formos,
Vultos solenes de repente antigos,
E cada vez mais sombras,
Ao encontro fatal

Do barco escuro no soturno rio,
E os nove abraços do horror estígio,
E o regaço insaciável
Da pátria de Plutão.]

Fernando Pessoa [Odes, de Ricardo Reis]
Traduçon de Fracisco Niebro


Como sempre, roubado no Cumo quien bai de camino

4 Comments:

Blogger Rafeiro Perfumado said...

Olá, Rosário, já não vinha aqui há uns tempos. Mas já deu para meter a "vista" em dia, e dar os parabéns atrasados, já vi que o fogo te tramou os planos!

Uma grande beijoca, atrasada mas sentida!

10:51 PM  
Blogger Opintas/Bernardo Kolbl said...

Bom dia e um abraço.

1:38 PM  
Blogger r.e. said...

que estranho e misterioso ler Pessoa assim :) a beleza permanece. J.

2:23 PM  
Blogger Flor said...

Maravilhoso poema!
Lindo e enternecedor. Gosto.

11:34 PM  

Impressoes

<< Home