Wednesday, July 12, 2006

Hoje ou amanha

(La Tour)

Como comecei, não sei. Dizem que nasci num dia treze de um mês de Julho, uma Sexta-feira. Porque era noite, e os dias só se contavam apos a alvorada, ficou documentado que foi a doze. Mas o sol estava escondido seja lá onde se esconde quando a noite se dilata e abafa todas as cores e todas as formas e a duzia de badaladas desse dia há muito que se tinha escoado entre os dedos da noite. Não fui dada à luz, nasci simplesmente, por entre as dores maternais, os uivos da noite e as maos hábeis e anosas da Tia Cascarela, possuidora nao de outra sapiencia que a transmitida por muitos anos a manusear fedelhos antes de eles emitirem o primeiro grito.
Creio que nasci por teimosia. A idade da minha mãe tornava improvável uma gravidez. Chorou quando soube que ia ter mais um filho, era uma vergonha na idade dela. Mas eu, aquecida de não sei que calor, não sei bem por quê, quis vir, e vim.
Ainda mal me refizera do trauma do nascimento e veio a morte visitar-me, na forma, não sei, de uma dessas maleitas que ceifavam precocemente as crianças naquele tempo, ninguém sabia de onde vinham, se eram coisas do Demo, se castigo de Deus, se destino, ou maldição ou sorte. Não parecia mal de bruxaria, as feiticeiras territorialmente competentes nada poderiam fazer contra tão sérios sinais de morte. Recorrer ao médico era impossível -onde encontrar um assim de repente?… O doutor visitava a aldeia uma vez por semana para administrar os cuidados básicos de saúde a toda a população em consultas relampago administradas na Casa do Povo. Se se tratasse de uma doença crónica ainda vá, apesar de ser necessário marcar vez com muita antecedência. Mas uma coisa assim, de repente, não havia quem acudisse.
Minha mãe, resignada como as outras, resignada e cheia de temor de me entregar às forças escuras que eternamente corroem as alminhas que morrem sem serem aspergidas pelas águas do baptismo, correu a casa do Padre Amândio, na noite fechada, sob a luz dos astros. Eram então a iluminação disponível, o subtil brilho dos globos celestes ou luz trémula da indispensável candeia onde um pavio de algodão se alimentava de azeite. Já havia luz eléctrica na aldeia, mas durante a noite os postes de iluminação calavam-se impotentes perante a escuridão estridente da noite, e tudo era trevas e temor e escuridão.
Eu não sabia, eu nem gente era ainda, mas vinha não sei de onde impregnada de mal. Por entre o âmnio e o sangue, as hormonas, as contracções, o choque e o stress do nascimento, parece que um apêndice áscio invisível - a alma - vinha infectado com a gangrena do pecado. Nunca soube onde apanhei essa infeccao...
Era pois necessário, segundo a Santa Madre Igreja, abluir-me com água benta. Depois sim, tinha uma autorização oficial, um passaporte válido, um visto carimbado para entrar no reino dos céus. O Padre Amândio lá fez as rezas a pressa e lá me colocou na lista daqueles a quem Belzebu não pode reclamar sem luta. Eu seria aquilo a que chamavam “um anjinho”.
Não sei o que disse à morte. Não sei o que lhe disse, que razões lhe dei, mas ela deve tê-las pesado com cuidado e, cheia de branco e de mistérios, como quem tem a certeza da posse final de todos os destinos, afastou-se. Tão misteriosamente como apareceu, o mal que ameaçava a minha frágil existência desvaneceu-se sem deixar sinais nem razões da sua vinda ou da sua partida. E foi só pela lábia (que desde essa altura nunca me faltou) -ou terá sido sorte ou teimosia- que ainda sulco os trilhos dos anos...
Post dedicado ao meu maninho, que faz anos hoje também (e nao somos gémeos)!... PARABÉNS!

20 Comments:

Blogger rps said...

Parabéns, Rosário!
Também pelo post. Ka ganda posta!
1bj.

2:20 PM  
Blogger Eridanus said...

foi então um dia feliz, esse, que o de hoje confirma!

(falei no teu «Pégaso» a Berenice, que tem andado mais pelo mundo real do que pelo virtual; pessoalmente, achei-o arriscado, por entrar num imaginário já muito povoado, mas interessante, pela distribuição espacial... lembrando-me da tua "Coimbra", reparo ainda que as cores se aproximam... porquê?)

beijinhos

3:12 PM  
Blogger Tom, um ser diferente... said...

Que texto maravilhoso, Rosário!
Parabéns pelo seu aniversário e parabéns ao seu irmão!

Felicidades e muitas realizações.

Um forte abraço de parabéns pela pessoas que és.

Tom

3:17 PM  
Blogger frog said...

Feliz aniversário... e que as maleitas de antão se transformem em força para o futuro...

O texto que escreveste é naturalmente belo... nostálgico quanto baste e que me fez recordar tempos antigos...

Dá parabéns ao João....

3:37 PM  
Blogger o alquimista said...

Parabéns, feliz aniversário e que a vida te proporcione tudo aquilo que mereces e que a luz da esperança ilumine as pessoas que estão à tua volta...

Um doce e terno beijo de parabéns

3:49 PM  
Anonymous eduardo said...

Seu texto me levou para outras eras...

3:53 PM  
Blogger AC said...

Então boa tarde e Felicitações, pelo aniversário e pelo texto.
Parabéns.

4:00 PM  
Blogger -pirata-vermelho- said...

(com a devida vénia, 'aqui e lá', e se me é permitida a sugestão avulsa
v/
http://apanha-moscas.blogspot.com/)

5:37 PM  
Blogger badger said...

Rosariko,
Assim de forma rápida... PARABÈNS!!

Beijos

2:02 AM  
Blogger Berenice said...

Muitos parabéns e um muito feliz aniversário é o que lhe desejo. Que continue a trilhar os sulcos da vida com muita sorte e arrebatadora teimosia!

Um grande beijinho.

2:05 AM  
Blogger Berenice said...

Esqueci-me de dizer que escreve maravilhosamente bem e que o seu texto me tocou e, de tão sugestivo, me transportou...

Muitos parabéns também por ele!

2:10 AM  
Anonymous Rosalina said...

Feliz aniversario linda!!!

7:29 AM  
Blogger Miguel said...

Parabéns Duplos, Tia Rosario!

Os votos de um dia feliz!

Amanhã apareço por cá novamente para felicitar outra vez!

Mil Bjks da Matilde

4:36 PM  
Blogger AS said...

Parabéns duplos! Um abraço ao teu mano e um beijinho para ti!...

FELIZ ANIVERSÁRIO PARA AMBOS!!!

7:01 PM  
Blogger Cristiano Contreiras said...

simples sentires do cotidiano.

bom final de semana!

7:14 AM  
Blogger deep said...

Parabéns... atrasados!
Beijos trasmontanos e votos de bom fim-de-semana.

10:46 PM  
Blogger Elipse said...

Rosarinho... és um mimo!
Toma lá um beijo de parabéns, no dia seguinte, mas ainda a tempo de te dizer que o texto é lindo!

1:00 AM  
Blogger Pé de Salsa said...

PARABÉNS Rosário!

Com atraso, é certo, mas mais vale tarde do que nunca.

Claro que o texto é lindo. Será apenas arte? Arte e verdade? Ou mesmo apenas e só verdade?

De qualquer forma o texto é lindo assim como lindo é o teu interior.

Dia 13 de Julho...ainda bem que insiste em nascer e em viver!

Beijinho Rosário

12:36 PM  
Anonymous Anonymous said...

Your are Excellent. And so is your site! Keep up the good work. Bookmarked.
»

10:07 AM  
Anonymous Anonymous said...

Excellent, love it! » » »

6:02 PM  

Impressoes

<< Home