Monday, September 26, 2005

Politica dos pequeninos...

No Jardim Escola existia entre os catraios um sistema social organizado num complexo jogo de hierarquias e rivalidades entre grupos adversários. Cada grupo tinha um chefe e um número mais ou menos extenso de protegidos. A coerência e constituição de cada grupo alicerçava-se numa frase que aprendíamos logo que éramos introduzidos naquela sociedade em miniatura: "estar com...". Esta expressão constituía uma forma fundamental de vassalagem aos mais fortes e garantia protecção perante qualquer ameaça.
O miúdo que pretendia pertencer a um dos grupos e ser consequentemente protegido pelo chefe, acercava-se deste, segredava-lhe ao ouvido "eu estou contigo". A proposta era avaliada nos diversos ângulos, as vantagens e desvantagens pesadas convenientemente e a decisão comunicada ao candidato. Também acontecia o chefe fazer o convite. Tal só se verificava em circunstâncias especiais, por exemplo quando um puto aparecia com algo-um brinquedo novo, canetas de feltro, etc. que elevavam o seu estatuto social. Se bem que os bens ficavam ao dispor do grupo (a negação do seu uso constituía uma ofensa grave que significava a expulsão), ficavam por outro lado protegidos de atentados que poderiam ter como consequência a sua perda. De qualquer maneira, quando ameaçado na sua integridade física ou patrimonial, o franganote disparava em tom de aviso "olha que eu estou com o...". Se o título fosse suficiente para dissuadir o atacante seguia-se em frente, apenas com umas mossas no orgulho. Se não, sofria-se o atentado como se podia e depois chamava-se o chefe para acertar as contas.
É claro que, conforme as circunstâncias e as questões se mudava conveniente de partido. Também acontecia ser-se despromovido por uma razão qualquer, era-se informado pelo chefe "já não estás comigo...". Havia traições ignominiosas, acertos de contas violentos, acordos secretos, emboscadas perigosas.
Só muito mais tarde percebi que estas dramas eram apenas uma preparacao para o mundo dos adultos e que estes praticavam todas estas jogadas, que eram uma parte importante da sociedade, e que essas ctividades até tinham um nome: POLITICA.

12 Comments:

Blogger Pinto Ribeiro said...

falta-lhe um pikeno tempero actual. a deslealdade. a traição. abracicos.

2:09 PM  
Blogger BastonadasNacionais said...

:)) De facto... de pequenino se torce o pepino...

2:36 PM  
Anonymous Berto said...

Optimo texto, fez-me lembrar a minha infancia e as tricas de putos...

3:44 PM  
Anonymous Iara said...

Pois é amiga, temos que mudar este drama politico que parece infestar o mundo. Plantar nesses pequeninos que tudo pode ser diferente. Só dessa forma podemos um dia mudar este caos que se encontra a politica, pois de outra forma, confesso não haver esperança. Vc como sempre mostrando a sua sensibilidade. Boa semana. BJOS

5:17 PM  
Blogger hfm said...

Gostei de ler.

5:39 PM  
Blogger Peter said...

Rosario_A_AT, primeiro contacto com um blog muito agradável. Diversificado, que é o género que praticamos. Por isso e se não te importas, vamos incluir-te nos n/links.
Tens razão: "tudo é política".

6:04 PM  
Blogger LetrasaoAcaso said...

O pior é a nossa passividade ante a corrupção e os péssimos políticos. Pessoalmente defendo que ninguém deveria ir às urnas votar. Onde iriam buscar a legitimidade?
Tb gosto do teu blog.

9:46 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

O prazer sera meu... linkarei o letras da proxima vez que actualizar a lista de blogs!

Abracicos!

10:07 PM  
Blogger Mendes Ferreira said...

olá Rosário o piano toca subtilmente um "merci"....uma boa noite.

10:56 PM  
Blogger GNM said...

Bjitos!!!

Continua a sorrir!

12:50 AM  
Blogger Pinto Ribeiro said...

bom dia. bjinho.

9:15 AM  
Blogger Adryka said...

Gostei de cá vir achei o pst interessante.
bjs

1:55 PM  

Impressoes

<< Home